Acompanhe a ABEFI

Receba novidades por e-mail

Notícias

27/06/2019

Oficina Violência de gênero na música brasileira

Oficina Violência de gênero na música brasileira

Nos dias 15 e 17 de junho realizou-se na Comunidade Bom Pastor em Esteio (IECLB), a oficina “Violência de Gênero na música brasileira”, conduzida pela Musicoterapeuta, Mestra e Doutora em Teologia Daniéli Busanello.

As estatísticas apontam para o aumento da violência contra as mulheres que se manifesta de diferentes formas (física, psicológica, moral, e outras). A violência de gênero perpassa os discursos e se perpetua há muitas gerações.

A oficina buscou refletir como as músicas, por meio de suas letras transmitem discursos que, muitas vezes, desvalorizam as mulheres, colocando-as em situações de inferioridade em relação aos homens, que as oprimem e as violentam.

Através de músicas desde infantis e diferentes estilos musicais (gaúcha, sertanejo, funk, samba e outras), Daniéli refletiu com o grupo como os discursos vão sendo construídos e como eles afetam a vida das mulheres e dos homens na sociedade atual.

“Eu aprendi que muitas das nossas músicas, especialmente as favoritas, podem conter comentários tanto machistas – como atos de agressão e estupro e nós não ligamos. Isso é como uma mensagem subliminar que nos estimula a fazer algo que não entendemos de onde pode ter vindo”, comenta o participante Erick, de 12 anos.

Isaura, que também participou, diz: “Adorei tua apresentação. Tinha conhecimento de algumas músicas, mas desta vez me fez refletir com mais atenção e também preocupação. De fato não sei o que veio primeiro: se foi a música deste gênero ou se foi a destruição da mulher. Mas a mulher sempre foi diminuída desde os tempos primórdios. Infelizmente.”

Estiveram presentes na oficina jovens e profissionais da Casa Lar de Esteio, do Abrigo Municipal Construindo Novos Sonhos, do Centro de Formação Teresa Verneri, alunos do ensino confirmatório da Comunidade de Sapucaia do Sul e de Esteio.

A realização deste evento é resultado de uma parceria entre o Projeto Fita Lilás, desenvolvido pelo Programa de Gênero e Religião das Faculdades EST, da ABEFI, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana de Sapucaia do Sul e da Comunidade Evangélica de Confissão Evangélica Luterana Bom Pastor em Esteio.




Créditos: Pastora Elisa Fenner

Passe adiante
esta notícia
>